ÚLTIMAS NOTÍCIAS

  • 19/10/2018
     A ATRHOL – Agência e Transporte Horizontina Ltda, foi fundada em 21 de outubro de 1978 como Associação dos Motoristas de Horizontina, que tinha como finalidade transportar os primeiros implementos fabricados no município. Só em 2004 a empresa passou a ser chamada de Agência e Transportes Horizontina Ltda. Sua expansão iniciou em 2005, tendo sua primeira filial no município de Catalão(GO), seguidamente em Montenegro(RS), Mogi das Cruzes e Indaiatuba (SP), Curitiba (PR) e em Canoas (RS), onde atualmente está centralizada a administração da ATRHOL.   A Agência conta com uma frota de aproximadamente 400 caminhões devidamente apropriados para transporte de cargas, sempre com motoristas qualificados trabalhando arduamente no transporte de carga em todo território nacional, além de países como Argentina, Paraguai, Uruguai, Peru, Bolívia e Chile.   No próximo domingo (dia 21/09), a ATRHOL completa 40 anos de história e gostaríamos de parabenizar toda a equipe pela belíssima trajetória no transporte rodoviário de cargas. Sabemos o quanto este trabalho é árduo, mas a persistência e a responsabilidade de empresas como a ATRHOL movem o setor e nos fazem acreditar em um futuro ainda mais promissor.   PARABÉNS, ATRHOL!!   Essa é a ATRHOL, patrocinadora Premium do 1º Congresso Itinerante do Transporte Rodoviário Internacional. Para saber mais, basta acessarwww.atrhol.com.br   Matéria pertence ao site: WWW.ABTI.COM.BR - Link Original abaixo: http://www.abti.com.br/informacao/noticias/1063-saiba-mais-sobre-a-atrhol-nossa-patrocinadora-premium Leia Mais
  • 15/10/2018
    Fim da obrigação de reconhecimento de firma, dispensa de autenticação de cópias e não-exigência de determinados documentos pessoais para o cidadão que lidar com órgãos do governo. É o que prevê a Lei nº 13.726, de 2018, sancionada e publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (09/10). O texto também prevê a criação do selo de desburocratização na administração pública e premiação para órgãos que simplificarem o funcionamento e melhorarem o atendimento a usuários.   A nova lei tem origem no substitutivo da Câmara (SCD nº 8/2018) ao PLS nº 214/2014, do senador Armando Monteiro (PTB-PE), aprovado no Senado no início de setembro.   Pela nova lei, órgãos públicos de todas as esferas não poderão mais exigir do cidadão o reconhecimento de firma, autenticação de cópia de documento, além de apresentação de certidão de nascimento, título de eleitor (exceto para votar ou registrar candidatura) e autorização com firma reconhecida para viagem de menor se os pais estiverem presentes no embarque.   Para a dispensa de reconhecimento de firma, o servidor deverá comparar a assinatura do cidadão com a firma que consta no documento de identidade. Para a dispensa de autenticação de cópia de documento, haverá apenas a comparação entre original e cópia, podendo o funcionário atestar a autenticidade. Já a apresentação da certidão de nascimento poderá ser substituída por cédula de identidade, título de eleitor, identidade expedida por conselho regional de fiscalização profissional, carteira de trabalho, certificado de prestação ou de isenção do serviço militar, passaporte ou identidade funcional expedida por órgão público.   Quando não for possível fazer a comprovação de regularidade da documentação, o cidadão poderá firmar declaração escrita atestando a veracidade das informações. Em caso de declaração falsa, haverá sanções administrativas, civis e penais.   Os órgãos públicos também não poderão exigir do cidadão a apresentação de certidão ou documento expedido por outro órgão ou entidade do mesmo poder, com exceção dos seguintes casos: certidão de antecedentes criminais, informações sobre pessoa jurídica e outras previstas expressamente em lei.   Selo de desburocratização   A nova lei ainda tenta racionalizar e simplificar atos e procedimentos administrativos dentro dos próprios órgãos públicos. Esses poderão criar grupos de trabalho com o objetivo de identificar exigências descabidas ou exageradas ou procedimentos desnecessários, além de sugerir medidas legais ou regulamentares para eliminar o excesso de burocracia.   O texto também prevê a criação do Selo de Desburocratização e Simplificação, destinado a reconhecer e a estimular projetos, programas e práticas que simplifiquem o funcionamento da administração pública e melhorem o atendimento aos usuários dos serviços públicos.   O Selo será concedido por comissão formada por representantes da administração pública e da sociedade civil, com base em critérios de racionalização de processos e procedimentos administrativos, eliminação de formalidades desnecessárias, ganhos sociais, redução do tempo de espera no atendimento ao usuário, além de adoção de soluções tecnológicas ou organizacionais que possam ser replicadas em outras esferas da administração.   Serão premiados, anualmente, dois órgãos ou entidades, em cada unidade federativa, selecionados com base nos critérios estabelecidos pela nova lei.   Vetos    Foi vetada, entre outros pontos, a previsão de que órgãos públicos disponibilizem em página de internet mecanismo próprio para a apresentação, pelo cidadão, de requerimento relativo a seus direitos.   A razão para o veto reconhece a importância desse mecanismo, mas alega que requer alta complexidade técnica, o que levaria tempo para a implementação. “O assunto poderá ser tratado posteriormente, de modo mais adequado, sem prejuízo de, exercendo sua autonomia federativa, os demais entes regulem por leis próprias a desburocratização do acesso do cidadão aos seus direitos”, completa a justificativa.   Também foi vetada a previsão de que a lei entraria em vigor já nesta terça-feira, na data de publicação no Diário Oficial da União. "A norma possui amplo alcance, pois afeta a relação dos cidadãos com o poder público, em seus atos e procedimentos administrativos. Sempre que a norma possua grande repercussão, deverá ter sua vigência iniciada em prazo que permita sua divulgação e conhecimento, bem como a necessária adaptação de processos e sistemas de trabalho”, justifica o Executivo.   Fonte: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2018/10/09/sancionada-lei-que-dispensa-reconhecimento-de-firma-e-autenticacao-de-documento   Leia Mais
  • 04/05/2018
    Em sua 25ª edição, a Agrishow segue com reconhecimento nacional e internacional. É uma das três maiores feiras de tecnologia agrícola do mundo e a maior e mais importante na América Latina. O evento é o mais aguardado do ano para o lançamento das principais tendências e inovações tecnológicas para o agronegócio. A ATRHOL esteve presente em mais um ano de feira.    Leia Mais

NOVAS PARALISAÇÕES VOLTAM A ACONTECER EM VÁRIAS ESTRADAS DO PAÍS.
23/04/2015

O SETOR DE SINISTRO da RASTER com o intuito de manter clientes e colaboradores informados repassa  novas informações referente aos protestos e paralisações de caminhoneiros que  ocorrem nas Rodovias do País.

 
Novos Locais de Bloqueios:
 
*Rio Grande do Sul  BR-472 em Santa Rosa, BR-386 Frederico Westphalen. Também a um ponto de manifestação na RSC-287 em Venâncio Aires. 
*Paraná caminhoneiros estão sendo orientados a parar em postos de Combustíveis as margens das BRs-277 em Cascavel e BR-163 em Capitão Leônidas Marques. Na BR-467 em Toledo apenas carros de passeio estão podendo seguir viagem. 
* No Rio Grande do Sul,  novos protestos em Ijuí na BR-285, e permanecem protestos na BR-101 em Três Cachoeiras, BR-386 em Soledade, BR-470 em Veranópolis.
* Em Santa Catarina, existem concentração de caminhões nos acostamentos e postos, mas nenhuma Rodovia bloqueada até o momento.
* No Paraná além dos protestos na BR-376, em Marialva, na BR-277 em Medianeira e Irati os bloqueios são parciais, novo bloqueio é confirmado na BR-277 em Laranjeiras do Sul.
* Mato Grosso adere as paralisações, já se encontram com bloqueios as Rodovias BR-163 em Lucas do Rio Verde e BR-364 em Rondonópolis e Diamantino.
* Em São Paulo vários caminhoneiros param em Postos de combustíveis em Ribeirão Preto, mas sem bloqueios nas Rodovias. 
 
 
Pelo menos em 6,4 mil quilômetros de rodovias concedidas à iniciativa privada no Estado de São Paulo, os caminhoneiros vão continuar pagando pedágio também pelos eixos suspensos do veículo. O Diário Oficial da União da última sexta-feira (17) publicou decreto da presidente Dilma Rousseff que regulamenta a Lei dos Caminhoneiros, sancionada no início de março, e as novas regras entram em vigor, mas não vão valer para essas rodovias, segundo a Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp).
 
A lei, editada após os protestos de caminhoneiros que paralisou rodovias entre o final de fevereiro e início de março, prevê o fim da cobrança de tarifa pelo eixo de veículos de cargas cujas rodas não estejam em contato com o asfalto. O decreto determina que os órgãos de trânsito da União, Estados e municípios adotem medidas para viabilizar a isenção. Pela regra anterior, caminhoneiros tinham que pagar pedágio para todos os eixos dos seus veículos, independentemente de estarem em uso ou não.
 
A Artesp informou em nota, contudo, que o artigo da lei federal que versa sobre a isenção dos eixos suspensos é juridicamente inaplicável no âmbito das rodovias estaduais. "Portanto, nas rodovias estaduais paulistas não haverá nova mudança tarifária", informou a Artesp.
Os Estados do Rio de Janeiro e Paraná seguirão as regras publicadas pelo governo federal e concederão a isenção da tarifa. A confirmação foi feita pelas agências que fiscalizam essas concessões e pela Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR).
 
Rodovias Federais:
Os caminhoneiros que trafegam pelas rodovias Presidente Dutra, que liga São Paulo ao Rio de Janeiro; Régis Bittencourt, de São Paulo a Curitiba, e Fernão Dias, ligação da capital paulista com Belo Horizonte, já não pagam tarifa pelo eixo suspenso de seus veículos desde a madrugada. Comunicados divulgados nesta sexta-feira(17/04) pelas concessionárias das três rodovias informavam que, em cumprimento à determinação da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), todo caminhão que passar pelas praças de pedágio com eixos suspensos serão considerados vazios, portanto, os eixos suspensos não entram no cálculo da tarifa.
 
Fonte: Raster Alerta